jueves, 19 de enero de 2012

Aparelho Locomotor: Fisiologia Muscular. Parte II

Tipos de fibras musculares esqueléticas 
  Distinguem-se 3 tipos de fibras musculares esqueléticas:
vermelhas, brancas e intermédias.
 


As fibras vermelhas que abundam nos músculos vermelhos, são de diâmetro pequeno e contêm grande quantidade de mioglobina e numerosas mitocondrias, que se dispõem em filas entre as miofibrillas e em cúmulos por debaixo do sarcolema.
Os músculos vermelhos se contraem mais lentamente, pelo que se assumiu que a fibra vermelha é uma fibra lenta. 


As fibras brancas, 

presentes nos músculos brancos, são de diâmetro maior, possuem menor quantidade de mioglobina e um número menor de mitocondrias que se dispõem, de preferência, entre as miofibrillas, a nível da banda I.
Neste tipo de fibras a linha Z é mas delgada que nas fibras vermelhas. 


As fibras intermédias 

apresentam características intermédias entre as outras 2 variedades de fibras, mas superficialmente se assemelham mais às fibras vermelhas e são mas abundantes nos músculos vermelhos.
Possuem um número de mitocondrias equivalente ao das fibras vermelhas, mas sua linha Z é delgada como nas fibras brancas.


Músculo cardíaco  


O músculo cardíaco está formado por células musculares ramificadas, que possuem 1 ou 2 núcleos e que se unem entre si através de um tipo de união própria do músculo cardíaco chamada disco intercalar.
A diferença do músculo esquelético, as fibras musculares cardíacas correspondem a um conjunto de células cardíacas unidas entre si em disposição linear. As células musculares cardíacas, de uns 15m de diâmetro e uns 10m de longo, têm o núcleo localizado ao centro do citoplasma e apresentam estriaciões transversais similares às do músculo esquelético.
O retículo sarcoplásmico não é muito desenvolvido e se distribui irregularmente entre as miofibrillas, que não aparecem claramente separadas.
No entanto, as mitocondrias, que são extremamente numerosas, estão distribuídas regularmente dividindo às células cardíacas em miofibrillas aparentes.
No sarcoplasma há numerosas gotas de lípido e partículas de glicógeno.
Com frequência as células musculares cardíacas apresentam pigmentos de lipofuscina perto dos pólos nucleares.
As células estão rodeadas por uma lâmina externa, comparável à lâmina basal dos epitelios.
Existem certas diferenças estruturais entre o músculo dos ventrículos e das aurículas.
As células musculares das aurículas são mas pequenas e vizinhos ao núcleo, em associação com complexos de Golgi presentes nessa zona, observam-se
grânulos de uns 0.4m de diâmetro que contêm o factor natriurético auricular, auriculina ou atriopeptina.
Estruturalmente, as miofibrilhas do músculo cardíaco, são essencialmente iguais à do miofibrilhas do músculo esquelético.
Por outra parte, os tubos T do músculo cardíaco são de maior diâmetro do que os do músculo esquelético e se localizam a nível do disco Z. Os tubos se associam geralmente com uma só expansão das cisternas do retículo sarcoplasmico.
De maneira que o característico do músculo cardíaco são as díadas, compostas de um tubo T e de uma cisterna de retículo endoplásmico. 




 

Músculo Liso  


O músculo liso está formado por fibras musculares lisas que correspondem a células uninucleadas, delgadas e aguçadas nos extremos, cuja longitude varia entre 20 e 500 mm.
Este tipo de músculo forma a porção contráctil da parede de diversos órgãos tais como tubo digestivo e vasos sanguíneos, que requerem de uma contração lenta e sustentada.
As células se organizam em grupos, formando fazes, rodeados de tecido conjuntivo fibroso que contém vasos sanguíneos.
O núcleo das fibras musculares lisas se localiza no centro da fibra e as organelas citoplasmáticas tais como mitocondrias, aparelho de Golgi, retículo endoplásmico rugoso e ribosomas livres se localizam, maioritariamente, na vizinhança dos pólos nucleares. O resto do citoplasma está ocupado por abundantes miofilamentos finos de actina, uma proporção menor de miofilamentos gordos de miosina, e um citoesqueleto de filamentos intermédios formados por desmina.
Existem, também, numerosos corpos densos, estruturas que ancoram filamentos finos. As fibras musculares lisas se dispõem deslocadas uma respecto da outra, de maneira que o extremo delgado de uma fibra se localiza vizinho à parte larga da fibra vizinha.
Esta disposição das fibras e a localização do núcleo no centro, explica o aspecto do músculo liso em corte transversal.


POSTERIORMENTE APARECERAM NA RED DE ANATOMIA E FISIOLOGIA DE FACEBOOK, ALGUMAS QUESTOES RELACIONADAS COM ESTOS CONCEITOS.
BOM TRABALHO A TODOS.
LINK DA REDE:

http://es-es.facebook.com/pages/Histologia-Humana/193977577328767

LINKS IMAGENS PRÁTICAS:

http://histologialocomotorporjmunoz.blogspot.pt/

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada